O verdadeiro valor do dinheiro

Dinheiro é necessário sim.
Sem dinheiro não conseguimos fazer quase nada nessa vida.
Estudar, viajar, comer, vestir, para tudo isso precisamos da moeda corrente.
E não há problemas nisso.

Por muito tempo, tive dificuldades para entender essa relação com o dinheiro.  Sempre acreditei, e acredito ainda, que poderíamos sim, como sociedade, viver sem o dinheiro.
Mas, o estudo do yoga e a meditação, me ensinaram o que eu precisava aprender sobre isso: o verdadeiro valor do dinheiro.
É apenas uma troca. Um reconhecimento por um trabalho realizado. Uma forma de gratidão. E ainda precisamos do dinheiro pra isso. Pra realizar a troca, pra reconhecer e agradecer por algo feito por alguém.

Não conseguimos ainda reconhecer e agradecer com a intensidade adequada, com a força de nosso coração e com a entrega de nossa alma. Agradecemos com ressalva, sempre. Por que podia ter sido feito melhor, podia ser mais rápido, podia não ter acontecido tal coisa, ou a pior de todas as ressalvas: estou pagando. Não conseguimos ainda, gratidão de coração e alma. Só da razão: você fez e eu preciso agradecer. Isso é o que torna tudo passível de preço.

E por não sabermos ainda agradecer, nos viciamos na ação condicionada à recompensa. Não conseguimos ainda fazer sem esperar algo em troca, ainda que seja apenas a gratidão. E assim, alimentamos e somos alimentados por este ciclo que parece infindável.

Ainda não ficou claro qual o verdadeiro valor do dinheiro, certo?
É o mesmo valor de todas as outras coisas impermanentes e que podemos adquirir. O dinheiro tem o mesmo valor das coisas que podemos tocar com nossas mãos e pés, as coisas que podemos degustar, abraçar, enxergar com os olhos físicos. Todas essas coisas podem ser trocadas por dinheiro.

Como almas, nos realizamos sem qualquer uma dessas coisas impermanentes. Como pessoas vivas elas podem ser necessárias.
Pense em algo que aconteceu com você e transformou a sua vida.
Você trocaria isso por dinheiro?
Você trocaria seus pais por dinheiro? Seu filho? O amor da sua vida? A sensação de uma conquista? A paz de uma boa ação?

Nesses momentos é a alma que está presente, e nesse campo o valor das coisas é infinito, assim como é a alma e todas as suas possibilidades.
Não dê ao dinheiro um valor que não é da natureza dele. Use. Não abuse. Desfrute. Mas faça tudo isso com sua alma livre.
O dinheiro não pode comprar nada que sua mente e sua alma não possam realizar!!!

Namastê!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *