Não vou discutir

Sabe, o atual momento pelo qual passamos, somado ao meu atual momento, me trouxe uma nova maneira de ver tudo que acontece à minha volta.
Sou uma pessoa de natureza forte. Sou falante. Atuante. Pró ativa.
Esta é a minha natureza. Se você me perguntar “porque?” não saberei responder, mas a vida faz sentido pra mim assim, realizando.

Mas hoje, com minha cabeça prateada, decidi não discutir mais. Aliás, tivesse eu nascido com a cabeça prateada, já teria feito essa escolha há tempos.
Não vou discutir ideologia de gênero com ninguém.
E o motivo é bem simples: para mim só existem dois (02) gêneros de corpos humanos habitando este planeta – feminino e masculino ( e apenas para evitar confusão e discussão, coloquei o feminino antes do masculino).
Agora se você quiser conversar e até discutir sobre o sexo dos anjos e das almas iluminadas, dispa-se de seu corpo e vem. Vamos estabelecer uma prosa bem gostosa.

Também não discuto sobre ideologia política, e o motivo é igualmente simples: para mim, aqui, onde e enquanto usamos corpos femininos ou masculinos, precisamos estabelecer algumas formas de convívio social.
Agora, se você quiser conversar sobre o quantum de energia disponível à todos para criarmos a realidade que desejarmos, dispa-se do seu corpo e destes apegos e vem, de alma inteira, e vamos conversar por toda a eternidade sobre as infinitas possibilidades nesta linha espaço-tempo.

Tema em voga agora é ‘escola sem partido’, e eu não discuto sobre isso.
Para mim é evidente que os conhecimentos adquiridos nesta experiência terrena precisam ser organizados, e ponto.
Agora, se você estiver disposto à conversar sobre a sabedoria eterna, perene, que ilumina o espírito e é inerente à toda forma de vida, vem! Dispa-se deste corpo medíocre, deste seus apegos ridículos, destas experiências irrelevantes e vamos conversar sobre todo conhecimento disponível em um óvulo, e um esperma, em cada semente e nos buracos negros.

Não discuto mais sobre o que é certo ou errado.
Para mim é notório que meu ponto de vista difere de todos os outros que não estão usando os meus próprios olhos.
Mas, se fecharmos os olhos, as discrepâncias de súbito desaparecem.
Tornamo-nos mais iguais que diferentes neste escuro interno.

E neste escuro onde só a verdade existe, tudo é muito mais simples e não se faz necessário discutir sobre nada.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *