Devo praticar invertidas?

Esse é sem dúvidas um dos mais controversos temas do Yoga: Invertidas.
Eu, particularmente, tenho fascínio por estes asanas, e procuro estimular meus alunos à praticarem de alguma forma.
Mas, os riscos da postura e o descuido do praticante tornam estes asanas mais assustadores do que perigosos.

Os riscos vêm da falta de preparo e do nível de consciência corporal associado à esta prática. É fundamental que seu corpo esteja preparado, com a força adequada para a manutenção saudável, e livre de riscos, do asana. Mas é muito mais vital, que sua consciência atue amplamente neste momento, por que é você, o praticante, quem sabe se seu corpo está realmente preparado. Seu instrutor pode, e deve, orientá-lo, mas é você quem percebe se conseguiu desenvolver a força necessária, o domínio do equilíbrio, a concentração e a confiança para o asana.

Gosto de orientar os alunos novos à iniciar com um trabalho de tomada de consciência para esta nova força que será exigida no asana. Neste processo, o aluno vai repetindo por algum tempo, a ‘preparação para o asana’ (ardha- shirshásana ou postura do Delfim), aprendendo a posicionar o corpo e apoiar o ponto exato do topo da cabeça no chão. Em seguida, o iniciante começa a sentir a força que seus braços devem realizar para que o asana aconteça, e quando, e se sentir que está preparado e que deseja, podemos tentar tirar os pés do chão.

Todo esse processo é fundamental para que se encontre a razão pessoal da prática de uma invertida. Por que isso tem que fazer sentido para o aluno que está tentando. E é nesse processo inicial que os medos podem ser adestrados, e a razão vem à tona.
Neste ponto o aluno já decidiu se isso faz sentido pra ele.

Benefícios físicos:
– intensa irrigação do cérebro, o que melhora a capacidade de concentração, de raciocínio e foco
– estimula a produção de serotonina, o hormônio da alegria
– melhora ao equilíbrio
– corrige a visceroptose, (queda das vísceras)
– estimula o bom funcionamento das glândulas pineal, pituitária, tireóide e paratireóide, harmonizando o metabolismo
– poderoso rejuvenescedor e eficaz na eliminação da fadiga
– rejuvenesce intensamente músculos do colo e da face
– cura insônia e perda de memória
– fortalece os pulmões

Benefícios psíquicos, emocionais e energéticos :
– traz clareza mental
– traz contentamento (Sauca),
– desenvolve autoconfiança para enfrentar as dualidades da vida
– desenvolve faculdades paranormais
– traz alegria, vitalidade, paz de espirito, energia
– elimina fobias, depressão e instabilidade emocional
– estimula o funcionamento de todos os chakras

Contra indicações:
– hipertensão
– processos inflamatórios nos ouvidos, olhos ou sinusite
– anomalias cardíacas não pisicogênicas
– prisão de ventre
– portador de desvio das vértebras cervicais
– a quem não pratica outros asanas
– a quem não sente vontade

Este é um tipo de asana que eu aconselho a praticar sob a orientação de um profissional, quando estiver praticando yoga regularmente.
Mesmo que você nunca venha a tirar seus pés do chão, tente praticar asanas mais simples com o topo da cabeça no chão. Existem variações básicas como a postura do Delfim, ou a postura do Coelho, que já lhe trarão inúmeros benefícios que não são alcançados em outros asanas.

Na foto, uma postura de fácil execução, que praticamente todas as pessoas que desejam conseguem realizar: Kapalasana, postura do Crânio, ou também conhecida como Kakasana, postura do Corvo.

” O Bhagavad-Gita diz: ‘Harmonia (sattwa), mobilidade (rajas), inércia (tamas), tais são as qualidades nascidas da matéria; elas amarram, ó grande poderoso (Arjuna), o morador indestrutível no corpo’. (discurso XIV, vers 5) Todas essas qualidades derivam do cérebro,  ora prevalece uma qualidade, ora, outras. A cabeça é o centro de sattwa, que controla o discernimento; o tronco é o centro das qualidades de rajas, que controlam a paixão, a emoção e as ações; e a região abaixo do diafragma, das qualidades de tamas, que controlam os prazeres sensuais, como o desfrute da comida e da bebida, a excitação e os prazeres do sexo.” Retirado do livro A Luz da Yoga, BKS Iyengar

Essa é a razão pela qual colocar-se de ponta cabeça de vez em quando.

Pratique!! Experimente!! Transforme-se!!

Boa prática!!

Namastê!

Compartilhar:

2 Comments on “Devo praticar invertidas?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *