Admirável maternidade

Aqui estou eu falando novamente da maternidade.
E eu preciso confessar à vocês uma profunda admiração pela maternidade, e uma profunda paixão por escrever este tema.
A maternidade em minha vida está literalmente escrita nas estrelas através da astrologia, e está escrita na forma como todos os acontecimentos se deram em minha vida,  sempre em função de uma gestação, e de um filho.
Já escrevi falando sobre o quanto uma mulher pode aprender com a maternidade, se desejar.
Hoje, quero propor uma reflexão sobre o quanto esta mulher, mãe, precisa ensinar.
Cuidar e proteger é a primeira importante função de uma mãe, mas a principal função, aquela que não permite repouso, pausa ou descanso é a de ensinar.
Mãe ensina enquanto, olha para o filho.
Mãe ensina enquanto fala, enquanto carrega no colo, enquanto age, enquanto fica calada, e o tempo todos os filhos aprendem com cada movimento, sem pausa.
Assim formam-se novos homens e mulheres, novos pais e mães, aprendendo com os exemplos maternos, por toda uma vida.
Ser mãe é como ser estudante e professora ao mesmo tempo. Aprende enquanto ensina. Ensina enquanto aprende.
E ela nem sabe muito bem por que faz isso, ou como o faz. Mas faz.
E vai realizando esta admirável maternidade com toda sua alma.
Experienciando intensamente cada sensação.
Porém, nada se compara à sensação de uma mãe ao ver que seus filhos tornaram-se pessoas melhores do que ela mesma.
Sou mãe, falo agora para as mães, mas imagino que a mesma sensação se dá com o pai.
Ver os filhos tornarem-se pessoas fantásticas ‘não tem preço’.
E você pode imaginar como seria esse mundo se todos os filhos gerados hoje, se tornassem pessoas melhores que seus pais, por que aprenderam perfeitamente a lição?
E depois os filhos de seus filhos seriam ainda melhores.
Estou pensando se este sentimento imensurável que sinto é um ego inflado pela certeza de ter cumprido minha missão, ou é uma infinita felicidade por saber que eles sofrerão menos por terem se tornado melhores?
E eu acho que é uma perfeita mistura: meu ego, por que eu tenho mesmo um ego, e ele está mesmo curtindo tudo isso, e ninguém está prejudicado por este sentimento egoico; misturado à infinita felicidade e gratidão que o amor materno pode proporcionar.
E, ainda que você não tenha sido mãe ou pai, você influencia alguém com seu olhar, com seu modo de agir, com suas palavras, com sua acolhida ou repulsa. Faça desta sua influência uma oportunidade mútua de você ser o melhor que pode agora, para ensinar alguém a ser melhor que você um dia.
Desejo à todas as mães muitas alegrias constantemente!

Namastê!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *