Savasana – Postura do cadáver

Nem preciso dizer que esse é um asana de relaxamento.
Pela foto da postura, fica evidente que todo o corpo entra em relaxamento, não existe mais força, não existe atividade muscular, e espera-se que não existam mais tensões.
Toda a atividade metabólica relaxa gradativamente e as sensações alcançadas podem ser incríveis. Quinze minutos de um bom relaxamento equivalem à algumas horas de sono, e isso já foi cientificamente comprovado.

Alunos do Mahatma

“Um dos métodos de relaxamento muscular mais conhecidos é aquele proposto na década de 1920 por Edmund Jacobson. Este médico defendia que a ansiedade e a tensão dos músculos estavam vinculadas. Por isso, ajudava os seus pacientes para que pudessem relaxar os seus músculos de maneira voluntária e, deste modo, diminuir sintomas relacionados com a ansiedade, a insonia e outros transtornos.
A técnica desenvolvida por Jacobson recebe o nome de relaxamento muscular progressivo, tendo sido posto em prática pelo próprio com os seus pacientes, os quais ele treinou para tratar a ansiedade, a hipertensão, a insonia e as úlceras, todos eles problemas contra os quais é efetivo relaxar os músculos voluntariamente. Cabe mencionar que esta técnica goza de popularidade ainda hoje.”

No Hatha Yoga, este asana é usado no início das práticas para promover um aquietamento mental, a fim de trazer a consciência do praticante para as experiências do momento presente, e no final como meio de permitir o relaxamento e descanso do corpo.
Porém, este é considerado um dos mais difíceis asanas.

Relaxar significa acalmar, descansar, descontrair entre outros, mas, um conceito muito importante é ‘aflorar algo‘.
Para o Yoga, este asana representa o desapego, a capacidade de entrega para deixar ‘aflorar algo’, ainda que desconhecido. E é esse o mais importante benefício deste asana. Assim, ser capaz de entregar-se por completo, permitindo o total repouso do corpo e da mente é a base deste asana.
O nome ‘cadáver’, vem daí.

Bhagavan Sri Râmana Mahârshi ( 30/12/1879 – 14/04/1950),  mestre de Advaita Vedanta (escola filosófica hindu e não dualista) , e homem santo do sul da Índia, aos 16 anos, após a morte de seu pai, experienciou um estado de ‘quase morte’ consciente, que o levou ao estado de realização espiritual por todo o resto de sua vida.
Sua experiência foi deitar-se, na postura do cadáver, e identificar o que ainda permanecia quando ele não sentia mais as pernas, os braços, o corpo, a respiração, a mente. Ele encontrou-se com se Eu maior nesta experiência que transformou completamente sua vida e de muitos que se tornaram seus seguidores.
“Seu dever é SER, e não ser isso ou ser aquilo. “Eu sou o que eu sou” resume toda a verdade. O método é “fique em silêncio”. O que significa o silêncio? Significa destrua seu “eu”, pois qualquer forma é causa de problemas.” Ramana Maharish

Então, vamos tentar ao menos, o relaxamento e a entrega neste asana.

Como fazer:

  1. Deite-se em decúbito dorsal, ou seja, com as costas no chão, e os cotovelos também, deixando as palmas das mãos voltadas para cima.
  2. Sinta seu corpo bem acomodado, e ajeite a posição até a acomodação total.
  3. Inspire fundo uma vez, e ao soltar o ar traga a sua consciência para os músculos das pernas e permaneça sentindo esses músculos se acalmando, e relaxando. Não saia dessa consciência até sentir as pernas parecendo dormentes.
  4. Repita esse processo com todas as partes do seu corpo, lentamente, e se, pensamentos vierem tentando dispersar sua atenção, identifique o pensamento, mas coloque-o de lado, dizendo que agora você está relaxando, e volte ao ponto de onde parou.
  5. Permita a partir de agora que  sua respiração relaxe e aconteça involuntariamente. Não faça esforço para respirar nesta fase do relaxamento.
  6. Desfrute agora da entrega, e todas as incríveis percepções que surgirão. E se desejar, pergunte-se quem está agora no comando de suas funções se seu corpo e sua mente estão relaxando? Quem respira por você se não esforço seu? Tome consciência dessa essência.

Benefícios:

Não é preciso falar muito sobre os benefícios depois de tudo que já escrevi acima, mas vale a pena:

  • relaxamento do tônus muscular que se reflete no relaxamento da mente, e das emoções.
  • estar consciente enquanto o corpo recebe a força da gravidade igualmente em todos os tecidos e órgãos.
  • estado de presença pelo aquietamento
  • descanso da funções corporais ( todo o metabolismo se acalma)
  • a descoberta de que relaxar não é tão difícil e pode ser muito prazeroso.
  • aumenta a atividade do sistema nervoso parassimpático e inibe o simpático, trazendo como efeito: menor liberação de cortisol(hormônio do estresse)  e catecolamimas( estimulantes), relaxamento neuromuscular, vasodilatação periférica, redução da força de contração cardíaca dentro de limites saudáveis e bradicardia, redução da pressão sanguínea arterial, redução da frequência respiratória e da ventilação. ( Anatomia e Fisiologia Aplicadas ao Hatha Yoga, V 2, Ed. Carthago)

Pode-se dizer que quem consegue praticar este asana da forma como os mestres do Yoga descrevem, consegue praticar yoga em fim!

Entregue-se! Experimente! e desfrute!

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *