O que é que a vida fez da minha vida…?

Não é fácil ser quem eu sou.
Nem deve ser fácil pra ninguém ser quem é.

A vida, como que petulante, vai nos enfiando goela a baixo, uma surpresa após a outra. Fica difícil ser quem eu sou.
Lembro-me da leveza e liberdade da infância, onde só o que eu precisava fazer era viver.  Mas a vida não tem piedade e vai colocando um dia após o outro em nossa existência, e a criança vai se transformando a cada dia, e vai perdendo a leveza, a liberdade e a infância.

A infância vai se esvaindo, e quem eu era, a criança, já não é mais, a criança.
Mas sinto que eu ainda sou eu.
Na sua petulância incansável, a vida continua implacável, e vai colocando um hormônio após o outro, e a fôrma, de formas pueris, molda-se em novas curvas, mais definidas, mais ágeis e expressivas.
Sinto que eu ainda sou eu.

Num rompante, a fôrma parece ter adquirido uma forma permanente e duradoura.
O corpo parece pronto e perfeito para ações mais determinantes, e assim, estou pronta para assumir as rédeas da minha vida. Ao menos era o que parecia naquele momento.
Perdi a leveza e a liberdade, mas ganhei o direito de escolher.
A vida, que já não parece mais tão petulante, continua impondo à mim suas condições básicas.
E eu, ainda sou eu.

Sinto que este é o momento que a vida esperou, durante toda a minha vida.
Sei que ainda sou eu. Meu corpo continua transformando-se a cada respiração, e agora já parece caminhar para o envelhecimento.
Só me resta neste momento tão esperado pela vida, remover as dores que ainda carrego.
Ainda tenho angustias no peito e incertezas na mente. Mas a vida fez todo o necessário pra que eu, chegando nesse ponto, fosse capaz de perceber o que eu agora preciso fazer.

E posso ver lá longe, ao fechar meus olhos, a vida me sorrindo, feliz por mim.
Sinto que a vida fez tudo que podia em minha vida. Ela fez tudo que podia pra que eu chegasse à este momento.
Neste momento, sinto que a vida esteve aí, todo esse tempo, apenas para me fazer perceber que nada pode mudar quem eu sou, e que toda essa petulância da vida, se impondo sobre nós é a magia da evolução.
Cada mudança que meu corpo sofreu ao longo da vida, cada experiência vivida, e cada emoção digerida, se refletem na evolução de quem eu sou, ainda.

Nenhum único instante da vida em nossas vidas é em vão.
Ah…vida!!!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *