Histórias da Índia: “Uma baita surpresa”

Alguém que viaja pra outro país, especialmente, com uma cultura conhecidamente muito diferente da sua, vai preparado para as mais incríveis surpresas. Eu estava preparadíssima pras mais inusitadas aventuras pela Índia, e confesso até uma certa ansiedade por essas coisas extremamente diferentes como a comida, as roupas que as mulheres vestem, os perfumes e religiosidade.
Mas, sempre tem uma baita surpresa. Por mais que você tenha se preparado pra tudo isso, sempre tem uma baita surpresa.

No meu caso a surpresa foi o trânsito. Chamar aquilo de loucura, é loucura.
Por que o trânsito na Índia transcende a loucura como nós a conhecemos.
Chamar aquilo de trânsito, é anormal para nós.
Também não podemos considerar caótico, por que tudo funciona e flui de maneira espantosa. Eles se entendem naquela aparente bagunça: carros, motos(muitas…mas muitas motos), ônibus, os famosos tuk tuk,  bicicletas, pedestres, vacas, macacos, todos andam calmamente, buzinando freneticamente, colados uns nos outros, e tudo isso junto dá uma impressão horrorosa pra quem acaba de chegar.

Mas não vimos nenhum acidente grave. Vimos uma moto tombar, mas foi um escorregão do motoqueiro quase parado.
Nossa primeira aventura no trânsito foi de dentro de um ônibus, em direção ao templo de Gurdwara, mas não menos emocionante. Andamos menos de um quilômetro e nosso ônibus entra em uma avenida grande, com 4 ou 5 faixas, asfalto de excelente qualidade, carros, motos, motos, motos e tuk tuk. Tudo parecia tranquilo nessa avenida, exceto pelo constante buzinaço. Você tenta encontrar um motivo para tantas buzinadas, mas não acha.

De repente, em sentido contrário, uma moto e um tuk tuk, entram na avenida, vindo de um cruzamento à nossa esquerda, e seguem caminho, na contra mão, passando ao lado do ônibus, e buzinando, claro, para avisar que estava vindo. A minha primeira reação foi de espanto e medo, mas em segundos, percebi que nada de grave iria acontecer por que aquilo era uma novidade pra mim, uma baita surpresa, mas para o motorista do nosso ônibus e os demais, isso faz parte do trânsito deles.

Sem esperar, estávamos todos rindo muito, e nos divertindo muito com a fantástica aventura de andar de ônibus por 20 minutos em Delhi. Foi sensacional. Mas foi só o começo, claro…rs.
Descer do ônibus e andar pelas ruas, atravessar uma avenida e chegar ao templo trouxe nova descarga de adrenalina, mas contarei esta parte em outro momento.

Assim é a Índia, como diria uma gíria brasileira: ‘cada mergulho é um flash’.
Adoro flashs desse tipo!!!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *