Sempre aprendendo

Esta semana, uma mensagem que li impactou-me.
A mensagem dizia: ” A melhor herança que podemos deixar para os que amamos é o nosso próprio crescimento”.
De imediato a ânsia de impactar outras pessoas com esta mensagem provoca as ações: publicar essa mensagem nas redes sociais.
E lá vou eu para o processo todo.

Bem, preciso criar uma arte visual que gere o impacto ideal.
Lá se vão uns 40 minutos escolhendo uma imagem apropriada, incitante, harmoniosa.
Imagem escolhida, vamos ao segundo passo: criar a arte. Abro o programa, colo a imagem, digito o texto da mensagem e vão-se mais uns 15 minutos até escolher a fonte, o tamanho, e testar todos os filtros de imagem e então: tá pronto.

Só falta o passo final: corrigir o texto. Sabe, eu fiz um curso rápido de escrita, e um dos principais ensinamentos abordava a correção de um texto,  sugerindo inclusive, que uma segunda pessoa, e até uma terceira façam essa leitura de correção. Mas a mensagem é curta, rápida, e eu mesma posso fazer isso.
Releio o texto e de pronto identifico o erro: ‘pórprio’. Corrijo rapidamente, pois tá chegando a hora do almoço e eu quero terminar tudo e enviar logo essa mensagem impactante para todo o mundo.

Pronto. Concluído. Salvei a imagem contendo a mensagem impactante.
Agora começa a segunda parte da maratona: publicar nos ‘story’ de instagram e face.
Não sou especialista no assunto, mas pesquisas indicam que hoje essas redes podem alcançar um excelente público.
Consumidos mais uns 30 minutos até entender, aprender o processo e dar tudo por concluído.
Alma lavada. Eu consegui!

Não deu nem tempo de curtir o barato, recebo uma mensagem de uma amiga: ‘dá uma olhadinha no seu story publicado agora: CRESIMENTO’.

Pode imaginar as palavras que proferi neste instante? Não em relação à minha hermana que avisou-me do erro, mas em relação à minha incapacidade de ter encontrado um erro tão ridículo como esse, e corrigi-lo à tempo.
Como pude deixar isso acontecer? Agora vou precisar corrigir e fazer novas publicações.
Justo a palavra CRESCIMENTO, que é tão importante nessa mensagem impactante.

Mas, para minha felicidade, já era hora do almoço, e eu tinha coisa mais importante pra fazer: comer.
Evidente que esta pequena pausa fez-me refletir sobre o motivo para esse meu erro.
Eu sei que não é um erro assim tão grave, até por que, quem me conhece sabe que eu sei escrever a palavra crescimento.
Mas é o significado da palavra no contexto impactante da mensagem.
Ficou claro pra mim que este era um processo de crescimento meu.

Você pode até pensar que é loucura alguém considerar que um simples erro gramatical pode significar um processo de crescimento pessoal, mas as coisas tem um significado pra mim. Todas as coisas.
Tá, e qual é o significado disso? O que eu preciso aprender com isso?
Onde eu posso melhorar?
Decidi não fazer a correção, mas, como qualquer pessoa normal fui pesquisar no mestre ‘Goggle’.

Pasmem: um pesquisador da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, comprovou que erros de digitação são ações mais “espertas” do que imaginávamos. Para o psicólogo Tom Stafford, “ao digitarmos, estamos tentando dar significado ao nosso texto, e essa é uma tarefa muito complexa”. *
Nós não percebemos o erro por que sabemos exatamente o que queremos dizer naquelas palavras.

Certo, eu concordo com isso. As vezes as ideias não são acompanhadas pelo processo de digitação.
Mas como explicar o fato de eu não ter encontrado o erro quando reli a mensagem várias vezes?

Pasmem II: o pesquisador Stafford, ‘concluiu que a dificuldade em encontrar os nossos próprios erros de digitação está relacionada à competição com uma “versão pronta” já imposta pelo cérebro’ *. Foi por este motivo que minha amiga encontrou o meu erro. Ela não estava competindo com a minha “versão pronta” e ainda tinha outro foco.

Não foi um erro assim tão grave mesmo. Aliás, ninguém mais comentou meu erro. Compaixão ou desatenção?
Mas foi um erro. E como tal pode promover o crescimento do ser envolvido. Ou não.
O que eu sei é que aprendi muito com isso, principalmente com a primeira emoção que me veio quando fui avisada do meu erro: INCONFORMISMO.  Como pude fazer isso, justo com a palavra crescimento?
Aprendi que na vida, estou aprendendo ainda.

Aprendi que quando uma ideia estiver pronta já, devo ficar mais atenta à digitação.
Aprendi que estou em crescimento ininterrupto. Nada, nenhuma experiência passa despercebida.
Tudo caminha para frente, em direção à evolução.
Eu acompanho se assim desejar.
Aprendi sobretudo, que alguns erros tem valor especial e que as coisas perfeitas podem ser chatas.
Aprendi que um erro simples pode ser muito impactante.
Aprendi que estou sempre aprendendo.

E por favor, se encontrar algum erro em qualquer um de meus textos, avise-me.
Tem sempre um aprendizado por trás de um erro.

NAMASTÊ!

*dados retirados da Revista Galileu – 13/08/2014

P.S.- Eu acabo de aprender a fazer esse circulo à mão (em vermelho na imagem acima) corrigindo uma imagem já pronta!!!!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *